Páginas

sábado, 31 de outubro de 2009

NOSSA DURA REALIDADE DIÁRIA

Despejo Na Favela
Edson Cordeiro
Composição: Adoniran Barbosa
Por: Manoel Andrade/BA


Quando o oficial da justiça chegou
Lá na favela
E contra o seu desejo
Entregou pra seu Narciso
Um aviso, uma ordem de despejo
Assinada "seu doutor"
Assim dizia a petição:
"A dentro de dez dias quero a favela vazia
e os barracos todos no chão"
É uma ordem superior
ô, ô, ô, ô, ô, meu senhor
É uma ordem superior
Não tem nada não, seu doutor
Não tem nada não
Amanhã mesmo vou deixar meu barracão
Não tem nada não
Vou sair daqui
Pra não ouvir o ronco de trator
Pra mim não tem problema
Em qualquer canto eu me arrumo
De qualquer jeito eu me ajeito
Depois, o que eu tenho é tão pouco
Minha mudança é tão pequena
Que cabe no bolso de trás
Mas essa gente aí
Como é que faz?
ô, ô, ô, ô, ô, seu doutor
Essa genta aí
Como é que faz?

Nenhum comentário: